Loading...

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

"Pensamentos e Práticas Curatoriais na Esfera Contemporânea", novo workshop no Largo das Artes




O Largo das Artes tem o prazer de apresentar seu mais novo workshop: "Pensamentos e Práticas Curatoriais na Esfera Contemporânea". Ministrado e coordenado pelo curador Bernardo José de Souza, este workshop propõe a investigação do pensamento curatorial a partir de uma serie de debates sobre algumas das principais questões a se imporem no horizonte crítico contemporâneo e da discussão acerca de projetos expositivos específicos, tais quais bienais e mostras coletivas que ocorreram nos últimos anos.

Uma das características da contemporaneidade é a relativização do presente em decorrência, por um lado, do constante diálogo com o passado, mediante a revisão histórica, e, por outro, com o futuro, através da construção de cenários provisórios ou ficcionais . Alçad o à categoria de período histórico - especialmente no contexto da história da arte - o termo contemporâneo apresenta significativos desafios ao curador que pretende não apenas dar conta da produção artística atual , mas também lançar nova luz sobre a história da arte e das manifestações culturais e políticas transcorridas no passado. A inexistência de marcos absolutos na contemporaneidade , quer sejam ideológicos, programáticos ou econômicos, vis a vis o esfacelamento das utopias divisadas ao longo do século XX, faz do futuro plataforma ideal para a elucubração de novos mundos, estética e politicamente em constante mutação.

Partindo das leituras e debates promovidos pelo workshop, pro jetos de curadoria serão desenvolvid os mediante acompanhamento e orientação conceitual e técnica. Eixos temáticos apresentados preliminarmente pelo coordenador do curso, ou mesmo pelos próprios alunos, serão explorados de maneira crítica sob a perspectiva das práticas curatoriais em arte contemporânea . Orientações individuais ou em grupo serão realizadas visando a estrutura ção de projetos expositivos que ao final do workshop possam vir a ser executados. 

Carga horária: 20 horas
Quando: de 6 de novembro a 9 de dezembro de 2014 (ver programação das aulas abaixo)
Valor: R$ 1.000 (em até 2 vezes)
Local: Largo das Artes (Rua Luis de Camões, 2 - Centro - Rio de Janeiro, RJ)
Inscrições: pelo telefone (+ 55 21 2224 2985) ou por email (largodasartes@gmail.com)

* Vagas limitadas *


PROGRAMA

Aula 1 
Quinta dia 6/11, 19 hs 
a) Introdução ao workshop e apresentação de breve histórico da prática curatorial e de exposições seminais realizadas no século XX . 
b) Apresentação de algumas ideias norteadoras do pensamento curatorial contemporâneo. 
c) Comentário sobre a bibliografia indicada, estruturação do seminário e apresentação do processo de desenvolvimento das propostas curatoriais a serem desenvolvidos individualmente ou em grupo.

Aula 2 
Terça dia 11/11, 19 hs 
a) Apresentação do projeto curatorial da 9 ° Bienal do Mercosul | Porto Alegre - "Se o clima for favorável".  
b) Debate sobre o projeto apresentado e reflexão acerca dos textos recomendados.

Aula 3 
Quinta dia 18/11, 19 hs 
a) Apresentação do projeto curatorial da mostra "to see what is coming". 
b) Debate sobre o projeto apresentado e reflexão acerca dos textos recomendados.

Aula 4 
Terça dia 20/11, 19 hs 
a) Seminário sobre pensamento curatorial contemporâneo a partir da bibliografia indicada + debates sobre as ideias apresentadas. 
b) Conversa com o curador Bernardo Mosqueira.

Aula 5
Sábado dia 22/11, 10h30
a) Apresentação preliminar das ideias e projetos curatoriais a serem explorados conceitualmente e desenvolvidos, individualmente ou em grupo, durante o workshop. 
b) Conversa com a curadora Sofia Hernandez Chong Cuy

Aula 6 
Dias 26 ou 27/11, 19 hs
Orientação: encontros individuais com o curador para acompanhamento e discussão dos projetos expositivos (1 hora por projeto).

Aula 7 
Dias 2 ou 3/12, 19 hs
Orientação: encontros individuais com o curador para acompanhamento e discussão dos projetos expositivos (1 hora por projeto).

Aula 8 
Terça dia 9/12, 19 hs
a) Apresentação final das propostas curatoriais para o grande grupo. 
b) Sessão comentada dos projetos finais.


BERNARDO JOSÉ DE SOUZA - BIO

Bernardo José de Souza é curador, professor universitário e colaborador de publicações sobre arte e cultura visual. Foi curador do espaço na 9º Bienal do Mercosul | Porto Alegre, em 2013, e coordenador de cinema, vídeo e fotografia da Secretaria de Cultura de Porto Alegre entre 2005 e 2013. Desde então, atua de forma independente, integrando o time de curadores do 19° Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil e desenvolvendo projetos para o Largo das Artes, no Rio de Janeiro, e para o Instituto Ling, em Porto Alegre. Bacharel em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul e especialista em fotografia e moda pel a University of the Arts London , é membro dos conselhos curadores do Museu de Arte Contemporânea do RS e da Fundação Vera Chaves Barcellos.

SOBRE OS CURADORES CONVIDADOS

Sofía Hernández Chong Cuy é curadora de arte contemporânea para a Coleção Patrícia Phelps de Cisneros (CPPC), cargo que ocupa desde 2011. Na última década, Sofia foi diretora do Museu Tamayo, na Cidade do México. Foi curadora de exposições para a Kadist Art Foundation, em Paris; MALBA, em Buenos Aires; Centro de Arte Contemporânea de Vilnius, na Lituânia; e MUSAC, em León. Sofía trabalhou como agente da dOCUMENTA (13), de 2012, em Kassel e foi diretora artística e curadora geral da 9ª Bienal do Mercosul | Porto Alegre, em 2013. Escreve regularmente para catálogos de exposições, revistas e publicações do gênero, além de manter um blog pessoal em: http://blog.sideshows.org/

Bernardo Mosqueira é membro da Comissão Curatorial da Galeria de Arte IBEU desde 2011; lecionou na Escola de Artes Visuais do Parque Lage; participou de residências no Brasil e no exterior; recebeu o prêmio-residência V::E::R, como crítico/curador, em Terra Una, MG (2011); foi premiado no 1º Laboratório Curatorial da SP-Arte; realiza de forma independente e anualmente o festival de performance “Vênus Terra” desde 2010. É escritor e foi responsável por mais de 40 curadorias, entre elas: “Liberdade é pouco. O que desejo ainda não tem nome” (RJ, 2010); “Quase Casais” (EIC Maus Hábitos, Porto, Portugal, 2010); “Sem Título # 1: experiências do pós-morte” (Galeria Oscar Cruz, SP, 2011); “E os Amigos Sinceros Também” (Galeria de Arte Ibeu, RJ, 2012); “Trepa-Trepa no Campo Expandido” (SP,2012); “Conexiones” (Hoy en el Arte, Buenos Aires, Argentina, 2013); “Tronco” (Casa França-Brasil, RJ,2013); e “primeiro estudo: sobre amor” (Galeria Luciana Caravello, RJ, 2014). Atualmente, entre outros, desenvolve projetos para MANA Contemporary (Jersey City, Estados Unidos) e Solyanka VPA (Moscou, Rússia) e é diretor do Prêmio FOCO Bradesco ArtRio.

Mais informações:
Frederico Pellachin 
ou Consuelo Bassanesi
pelo telefone: (21) 2224-2985

ou pelo e-mail: largodasartes@gmail.com

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Jornada "As Conferências de Foucault no IMS". O IMS, a Saúde Coletiva e o Brasil 40 Anos Depois



Em 1974, em plena ditadura midiatica-empresarial-militar, o recém-nascido Instituto de Medicina Social convida Michel Foucault, um dos mais importantes intelectuais em atividade, para um conjunto de palestras.
A encomenda: comentar o bombástico livro de Ivan Illich, "Nêmesis da medicina - a expropriação da saúde".
Foucault foi além, esboçando a história da medicalização na Europa.

Hoje, 40 anos depois, continuamos lutando para democratizar nossa sociedade, para construir um sistema de bem-estar social, contra a medicalização e/ou mercadorização da saúde.

Convidamos todxs interessadxs para pensar criticamente as diferenças e semelhanças entre ontem e hoje, do IMS, da saúde coletiva e do Brasil, tendo os 40 anos das palestras de Foucault como ocasião.

* 4/11/2014

09h00 Conferência de Abertura 
______Madel Luz 
Mediador: Leandro Gonçalves

10h45 Mesa-Redonda:
Foucault, Reforma Psiquiátrica e o IMS
______Heliana Conde
______Joel Birman
______Martinho Braga
Mediadora: Gabriela Barreto

14h00 Mesa-Redonda:
Foucault, Direitos Sexuais e Saúde Coletiva
______Alain Giami 
______Kenneth Camargo Jr. 
______Maria Luiza Heilborn
Mediadora: Anacely Costa

16h15 Conferência:
______Vera Portocarrero
Mediador: Arthur Lobo Costa Mattos

18h00 Debate aberto:
Manifestações, conservadorismo: 
relações de poder no Brasil de hoje, com ou sem Foucault 

*
Esta atividade faz parte dos eventos de comemoração dos 40 anos do IMS, que culminará numa série de atividades na semana de 10 à 14 de novembro de 2014.

Rua São Francisco Xavier, 524, 6º e 7º andar, blocos D e E

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

3rd International LAVITS Symposium: Surveillance, Tecnopolitics, Territories | III Simpósio Internacional LAVITS: Vigilância, Tecnopolíticas, Territórios



III Simpósio Internacional LAVITS: Vigilância, Tecnopolíticas, Territórios
13 – 15 de Maio, 2015. Rio de Janeiro, Brasil
Chamada de Trabalhos (PT/EN/ES): 

Principais Datas:
  • Submissão de resumos
  • até 15 de novembro de 2014
  • Divulgação de resumos aprovados
  • 10 de fevereiro de 2015
  • Envio dos artigos completos
  • até 30 de março de 2015
Site do evento:

Sobre o Simpósio:
As modulações da vigilância estão hoje atreladas a uma rede extremamente heterogênea de elementos atuantes em múltiplas escalas. Aparatos de vigilância de massa, como os revelados por Edward Snowden, conectam Estados e corporações; agências de segurança nacional e dados pessoais na Internet; espionagem de chefes de Estado e interesses de mercado; guerra ao terror e empresas do Big Data.
Tais dinâmicas da vigilância contemporânea nos levam a retomar a noção de território segundo diferentes níveis de questionamento. Discutir o território nesse contexto é também definir as condições de existência de indivíduos, instituições, corpos e subjetividades. Territórios informacionais, urbanos, subjetivos, da produção ampliada de valor, do comum, entre outros, são ora zona privilegiada, ora zona de resistência às estratégias da vigilância e do controle. Ao mesmo tempo, ações e reflexões no plano tecnopolítico vêm criando um campo fértil de táticas que contestam tais estratégias e exploram outros modos de habitar e agir coletivamente nas redes sociotécnicas contemporâneas.
Vigilância, Tecnopolíticas e Territórios constituem assim a tríade de problemas que compõem o III Simpósio Internacional da Rede Latino-americana de Estudos em vigilância, tecnologia e sociedade/LAVITS, a ser realizado entre 13 e 15 de maio de 2015 no Rio de Janeiro. Tríade que afeta especialmente esta cidade, no interstício de uma série de megaeventos que deixam como legado uma expressiva e renovada gama de tecnologias de segurança e vigilância. Além disso, o Brasil e outros países latino-americanos vivem um ciclo de lutas e protestos em que a cidade e as redes de comunicação distribuída ocupam um lugar decisivo, tornando fundamental a reflexão sobre vigilância, tecnopolíticas e territórios em escala global e local.
Convidamos pesquisadores, professores, ativistas e artistas a submeter resumos de trabalho ao III Simpósio Internacional LAVITS que, no âmbito de sua temática geral, propõe debater os seguintes temas-chave:
  • Big Data, vigilância e tecnopolítica
  • Vigilância, protestos políticos e manifestações urbanas
  • Megaeventos e vigilância
  • Web, Deep Web e Internet das Coisas: rastreamento e vigilância
  • Ativismo e contra-vigilância: criptografia, hacktivismo, tecnopolíticas
  • Práticas artísticas e estéticas da vigilância
  • Trabalho e Vigilância
  • Corpo, afeto e vigilância
  • Identificação, biometria e vigilância
  • Cidades inteligentes e vigilância algorítmica
  • Vigilância móvel e wearable: drones, GPS, smartphones, câmeras integradas etc.
  • Privacidade, dados pessoais e controle da informação
  • Vigilância e práticas de consumo
  • Tecnologias de auto-monitoramento e controle
  • Histórias, memórias e arquivos da vigilância
  • Regulação da vigilância e proteção de dados na América Latina
  • Snowden, NSA e vigilância de massa: impactos na América Latina
  • Vigilância e ditadura militar na América Latina
  • Mercado da vigilância na América Latina: conexões público-privado
  • Vigilância e Tecnopolítica na América Latina: conceitos, metodologias e estudos de caso
  • Controle social, território e vigilância na América Latina

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Sophie Ko Chkheidze I - Tradução do texto de apresentação da exposição


No último sábado, dia 27, estive em Brescia para conhecer a cidade e visitar a abertura da exposição de Sophie Ko Chkheidze, na A+B Contemporary Art. O trabalho de Sophie Ko é muito inspirador, pois repercute uma série de questões bastante contemporâneas, com destaque para a sobrevivência das imagens e os novos regimes cronotópicos agenciados pela arte contemporânea. Achei o texto disponibilizado pela galeria super bonito e bastante elucidativo da poética desenvolvida por Sophie Ko na série Geografie temporali. Enquanto não finalizo minha crítica da exposição, compartilho uma tradução ao português do take one (de autoria não identificada) da exposição.

---

"Geografia Temporale (pala d'altare)" pigmento, 245x145cm, 2014.


Pela primeira vez, o espaço da Galeria A+B de Brescia é aberto para acolher uma exposição individual de Sophie Ko Chkheidze (Tbilisi, 1981), artista georgiana que vive e trabalha em Milão. A exposição é acompanhada do texto ad hoc “Finis initium”, do filósofo Federico Ferrari, em 100 impressões numeradas, com uma intervenção da artista sobre cada cópia.

Nesta individual de Sophie Ko apresenta-se a Pala d’altare composta de três painéis, a tetralogia Delle stelle fisse, além de duas obras de pequenas dimensões intituladas Titani e Grembo. Todas estas obras de Sophie Ko – exceto o Grembo, que é um resto não queimado – são Geografie temporali, ou seja, quadros feitos de cinzas de imagens queimadas ou de pigmento puro que constituem o resultado da reflexão da artista sobre as imagens. Há alguns anos, a obra de Sophie Ko centra-se no significado das imagens na nossa vida, no seu valor para o conhecimento, na relação entre imagem e tempo, entre imagem e memória, no valor da imagem do passado. A Geografie temporali, pela força expressiva e pela essencialidade da potencia figurativa, entra em diálogo com os grandes mestres do Renascimento.

A cinza como metamorfose da imagem

As imagens vivem no tempo, não são testemunhas silenciosas; as imagens desaparecem, retornando no tempo e sobrevivendo ao tempo. As imagens trazem consigo um tempo próprio: as imagens falam do tempo em que vivem, mostram-nos o seu desaparecimento, a sua resistência dura ou mesmo um glorioso renascimento na fúria destrutiva da história. No entanto o nosso tempo, como “sociedade do espetáculo”, impõe-se por uma produção hipertrofiada de imagens e é, ao mesmo tempo, o mais cego deles, incapaz de manter uma relação que possa ir além do mero consumo niilista de imagens. Como escreve Federico Ferrari em Finis initium “a cinza é o que resta, aquilo que nos resta” de toda a tradição de imagens do passado. E como observa Ferrari, Pala d’altare, Delle stelle fisse, Titani e Grembo são comparáveis à nossa relação comum com as imagens feitas de “niilismo passivo”, de incapacidade de “conservar as próprias cinzas”, uma forma de pietas.

Uma pietas pelas imagens

A Geografie temporali, portanto, é uma forma de pietas para com as imagens, em direção a nossa história, em direção ao nosso tempo. É a partir destas cinzas – a partir deste nada a que se destina a vida das imagens – que surgem no nosso tempo, que nasce a Geografie temporali, obra que toma forma a partir do resto não queimado das imagens, das cinzas das imagens queimadas. Fogo e cinzas testemunham a destruição das imagens e, ao mesmo tempo, são o que tornam possível a existência da própria imagem. Do fogo nascem as imagens, as cinzas das próprias imagens tornam-se o corpo e a alma de uma imagem ainda não vista, cuja história ainda não está escrita, mas apenas iniciada. A Geografie temporali tenta parar o instante em que a imagem do passado continua a arder, insiste em querer exprimir um sentido, continua a viver, não obstante o consumo em série das imagens, não obstante seu consumo sistemático. A queima da imagem é o que traz a vida passada ao presente, é o crescimento da vida além de qualquer destruição. O fogo é tanto a força destrutiva, quanto a capacidade de resistência que a imagem testemunha pelo preço da própria vida. Assim, a Geografie temporali são novas imagens, feitas de formas mutantes e móveis dos restos não queimados das imagens. As cinzas das imagens queimadas são o fim de uma imagem, mas também um novo começo: a matéria, a cor traça uma “iconografia do não visto” (F. Ferrari), mais uma vez uma imagem que tem um significado para a vida, um retorno à dimensão essencial e elementar da própria imagem. “Não há um fim possível, mas apenas metamorfose sem fim”, observa Federico Ferrari, no texto que acompanha a Geografie temporali.

Perder a durabilidade para ganhar peso

Esta metamorfose infinita das imagens vive na Geografie temporali, que está em contínua e imperceptível transformação. A Geografie temporali é relógio, é clepsidra, símbolos caros à primeira natureza morta, à própria Vanitas, ao próprio Memento mori. Com o passar do tempo a composição do quadro muda, as cinzas caem, o tempo marca sua passagem, mas o tempo que uma Geografie temporali mede com a própria força de sua queda não é apenas o tempo da destruição, do exaurir da vida. A simbologia a que a ampulheta remete, de fato, é dupla: de um lado indica o inexorável terminar da vida, de outro concede ao homem o tempo da meditação, da profundidade, da arte, do ócio; à medida que cresce a areia no fundo da ampola inferior, assim a vida toma forma no seu escorrer, no seu relacionar-se com as forças naturais sem se anular. A Geografia temporali mostra-nos como o tempo perde durabilidade para ganhar peso. Assim o sentido da imagem não se consome. A Geografie temporali coloca em cena essa relação entre tempo e imagem feita de pressão e de destruição do tempo sobre a imagem, mas também de formação, profundidade, renascimento com respeito à fúria destruidora do tempo. A Geografie temporali traz à luz que as imagens não apenas estão sujeitas ao tempo, mas marcam o tempo, dando a ele uma forma, conduzindo-o à visibilidade, dando uma direção ao nosso olhar. Federico Ferrari escreve: “Um espanto sem fim diante de um início que não para de iniciar, a cada instante, aqui e agora, no esplendor da cor, na minhas palavras, nos teus olhos”.

quarta-feira, 11 de junho de 2014

MNEMÓPOLIS: big data, imagens sobreviventes, memórias insurgentes | projeção de lançamento do Atlas #protestosBR, hoje às 19h, no MediaLab.UFRJ




Hoje teremos a projeção de pré-lançamento do Atlas #protestosBR com as imagens enviadas via ChIPS (Chamada de Imagens Políticas Sobreviventes). Os que ainda não atenderam ao chamado, podem enviar suas imagens aqui e ajudar na montagem deste Atlas.

Abaixo, um brevíssimo texto que escrevi retomando algumas das inquietações que resultaram no projeto.

---

No MediaLab.UFRJ, o ano de 2014 começou com um desafio: como pensar/organizar/ver as imagens dos protestos que tomaram as ruas deste país desde junho do ano passado? Em virtude da quantidade e da circulação em fluxos contínuos de tais imagens, inicialmente nos aproximamos das estratégias de visualização de big data (esta grande massa de informação proveniente do desenvolvimento da web, que excede os limites inerentes à cognição humana). Neste sentido, algoritmos são mobilizados para ajudar a visualizar um quadro destas imagens, organizadas a partir de certos padrões de cores ou composição dos quadros ou, ainda, de sua circulação na rede (retweets e compartilhamentos). Em parceria com o Labic, da UFES, realizamos encontros para discutir tais ferramentas e debatermos suas potencialidades e limitações.

Outra referência importante para pensarmos o projeto do Atlas #protestosBR foi o Atlas Mnémosyne, de Aby Warburg. A história da arte proposta por Warburg no começo do século passado foi anacronicamente organizada neste atlas (grandes pranchas nas quais as imagens heterogêneas - fotografias de esculturas, gravuras, selos postais etc - eram montadas a partir da sobrevivência de certos gestos). No dispositivo warburguiano, o intervalo entre as imagens ajudava a vislumbrar um regime de semelhança que sobrevivia ao tempo. Isto o ajudou na formulação de uma história da arte que excedia as noções de estilo e escolas artísticas, e o permitiu avançar com uma leitura das imagens da arte sobre o terreno mais amplo da cultura.

É na tensão entre o fluxo contínuo e o intervalo, que surge o projeto do Atlas #protestosBR, que é baseado na colaboração, através da submissão on-line por qualquer um que tenha interesse, de três imagens dos protestos. Assim, sem a pretensão totalizante de dar conta de todas as imagens dos protestos que circularam na internet, o Atlas #protestosBR configura-se como uma plataforma que constitui uma rede de atores-humanos e imagens (também elas actantes). Mobilizando a memória dos protestos e construindo esta rede colaborativa, a ser publicamente compartilhada na web, o atlas do MediaLab.UFRJ é uma experiência mobilizada por uma aparente insuficiência das ferramentas já disponíveis para lidar com a novidade das formas de mobilização política que atravessaram os protestos e com o estatuto privilegiado da imagem neste cenário

domingo, 8 de junho de 2014

Hoje é o último dia do Dança em Foco: Festival Internacional de Vídeo & Dança | notas sobre dois programas


Anualmente, o Dança em Foco: Festival Internacional de Vídeo & Dança ocupa uma série de espaços na cidade do Rio de Janeiro, promovendo conversas/debates e exibindo trabalhos de videodança. Este ano, o Festival começou na Maison de France, ocupou o Museu de Arte do Rio (MAR) por uma semana e se encerra hoje no Teatro Cacilda Becker. Ontem, finalmente, consegui ir ao festival e assisti a dois programas: Curtas internacionais e O legado de Merce Cunningham. Sobre o primeiro programa, cheguei no final do primeiro vídeo El asesinato de lo real (Chile, 2012), mas pude assistir integralmente a Restraint (Reino Unido, 2013) e ...I said you! (Eslováquia, 2013). 

O que mais chama a atenção na produção, ainda pouco difundida (mesmo entre o público de dança ou de artes visuais), de videodança é o fato de que se trata de um processo de criação artística que é fundamentalmente "interartes" ou "transartes". Ou seja, não se trata de uma "dança filmada", mas de uma coreografia na qual, além dos corpos dos bailarinos, são contemplados movimentos de câmera, edição e sonoplastia. Nenhum privilégio é concedido à dança ou ao vídeo. A câmera é, também, corpo que dança; a edição é, também, coreografia. Como os diretores do Festival escrevem no texto de apresentação da programação deste ano, trata-se de uma "arte em que a dança é feita de vídeo, e o vídeo é feito de dança".


Restraint, dirigido por John Coombes e coreografado por Lucy Bourne & Antonia di Carlo, apresenta três bailarinas dando corpo a três diferentes personagens, cujos movimentos, embora não sejam sincronizados, parecem desdobrar-se de um "espreguiçar" e encontram limites à expansão infinita que, ora são cordas ou o próprio corpo das bailarinas, ora é a edição do vídeo. O que chama a atenção neste trabalho não é um suposto simbolismo dos gestos cuja leitura caberia ao espectador, mas a forma como a edição paralela, que apresenta as três personagens, constrói uma narrativa, a partir do puro movimento e de suas restrições. 

...I said you!, dirigido por Lubica Sopkova e coreografado por Jan Sevcik, é um videodança que se estrutura em dois blocos. No primeiro, em preto e branco, um grupo de homens dança, vestindo preto, sobre um fundo composto por quadrados pretos e brancos, o que promove temporariamente o apagamento dos bailarinos e, a depender da posição da câmera, transforma momentaneamente seus corpos em abstrações. A cuidada composição dos quadros deste primeiro bloco fez lembrar das composições geométricas abstratas que marcaram as artes gráficas modernas. Ao passo que a segunda parte do vídeo, em cores, gravada em um cenário natural, com os mesmos dançarinos usando as mesmas roupas pretas, cria uma atmosfera que remete ao impressionismo. Digo isto pois, neste segundo bloco, aos movimentos dos corpos e das câmeras soma-se uma luz que, menos contrastante do que a que marca a primeira parte do vídeo (preto e branco, quase sem sombras ou cinzas), compõe um quadro que tenta acompanhar o movimento dos bailarinos, à semelhança da relação que o pintor impressionista parece ter com as variações cromáticas provenientes da iluminação natural.


O programa O legado de Merce Cunningham consistiu na exibição de dois trabalhos de Cunningham que, pelas dinâmicas espaciais que apresentam, foram pensados ou recriados para o vídeo. Nos dois trabalhos, o som desempenha um papel crucial. O primeiro, uma comédia, faz uso de uma trilha que atribui um tom cômico aos movimentos, marcando-os, pontuando-os, um pouco como vemos no cinema de um Buster Keaton. O segundo captura e torna audível os sons produzidos pelos próprios movimentos dos dançarinos, as respirações ofegantes, os atritos, as quedas. Esta sonoridade incômoda é tensionada com as belas composições espaço-temporais produzidas pelo deslocamento da câmera de um grupo de bailarinos a outro, do interior ao exterior da locação - a coreografia da câmera redimensiona, divide em camadas, preenche a profundidade de campo lindamente. Além deste trabalho sobre o som e a profundidade de campo, a edição do vídeo intercala imagens de arquivo dos ensaios desta coreografia no desenrolar das imagens que viemos assistindo. Parece haver uma falsa tentativa de construção uma continuidade entre dois momentos de realização do movimento (o ensaio e a apresentação), já que as diferentes materialidades dos registros em vídeo, precária no ensaio e quase transparente na apresentação, curto-circuita e inviabiliza esta continuidade. 

Transcritas e desdobradas as breves notas sobre o que vi ontem, desejo vida longa ao Festival e convido a todos que têm interesses artísticos, acadêmicos ou de qualquer ordem nas relações entre corpo e imagem, e aqueles que simplesmente queiram passar uma tarde/noite aproveitando a oportunidade de assistir belos trabalhos em confortáveis pufes, a darem uma conferida no último dia do festival, hoje, a partir das 14h. O Teatro Cacilda Becker fica na Rua do Catete, 338. A programação pode ser acessada aqui.

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Chamada para publicação da Revista Eco.Pós | vol. 17.2. Transformações do visual e do visível


Está aberta, até o dia 20 de junho, a submissão de trabalhos para o segundo número da revista ECO-PÓS, cujo tema é "Transformações do visual e do visível". O periódico aceita trabalhos com autoria de doutores ou em co-autoria com doutores. Mais abaixo, a ementa do dossiê.

Em fluxo contínuo, podem ser feitas submissões para a seção "Perspectivas", que abriga temas livres. A seção "Resenhas" não conta com a restrição de titulação, mas devem ser de títulos com até dois anos de publicação.

O link para submissões é o seguinte: http://www.revistas.ufrj.br/index.php/eco_pos/index 


vol. 17.2. Transformações do visual e do visível

Contemplará estudos sobre as transformações da cultura visual e dos regimes de visibilidade nas sociedades moderna e contemporânea, especialmente aqueles que abordem tais dimensões: as mediações tecnológicas e as reconfigurações da experiência visual; o papel dos dispositivos audiovisuais na construção do olhar; os regimes de historicidade da visualidade; o fetichismo da imagem e a cultura do consumo; a crise do real e a espetacularização; as reconfigurações do público, do privado e do íntimo na sociedade da imagem; as articulações dos regimes de visibilidade midiática com modos contemporâneos de subjetivação; os simulacros, a simulação e a hiper-realidade; a impregnação da imagem na vida cotidiana e as possibilidades de transmutação do imaginário em imagens tangíveis; os hibridismos entre imagens e objetos; as narrativas visuais pós-fotográficas; as diferentes estratégias de produção de “efeitos de real” nos discursos imagéticos; o “ao vivo” e o “tempo real” no telejornalismo e em outras performances da imagem; as articulações e tensões entre o ficcional, o jornalístico e o documental; a cultura participativa e os novos produtores de imagens; as imagens da multidão, da massa e do povo; as disputas pela visibilidade na cultura das celebridades; a política de imagens e as imagens da política; os dispositivos midiáticos nos processos de constituição do visível e do invisível; e, também, as imagens de vigilância, seus dispositivos de controle e a constituição de um novo regime de visualidade.

quinta-feira, 22 de maio de 2014

7º Encontro Nacional do GT de Estética da ANPOF - de 27 a 29 de maio, na UFF


Àqueles que estiverem pelo Rio/Niterói, recomendo vivamente o evento abaixo. Eu não estarei por aqui, mas vou averiguar se alguma publicação resultará do evento e, caso encontre alguma coisa, posto por aqui. A programação completa pode ser acessada aqui.


quinta-feira, 15 de maio de 2014

A topologia dinâmica de Gilbert Simondon - apresentação amanhã, às 12:30, na PUC-Rio


Como alguns já sabem, em minha tese de doutorado investigo as chamadas câmeras inteligentes (smart cameras). Amanhã apresento uma parte do que será o terceiro capítulo da tese na Semana Acadêmica de Filosofia da PUC-Rio. A partir de alguns contextos de utilização das smart câmeras - sobretudo aqueles em que a ação das câmeras inteligentes prescindem da visualização de imagens por atores humanos (um exemplo do que estou falando pode ser visto aqui) -, pareceu-me oportuno investigar o estatuto destas imagens com respeito às relações topológicas que estabelecem com o que é diferente delas, seja o contexto que elas monitoram, seja, em um plano mais especulativo, com todas as demais imagens do mundo.


A concepção de imagem como representação e, neste sentido, exterior e segunda em relação ao objeto representado parece insuficiente para dar conta das câmeras inteligentes, que são operativas, performativas e pró-ativas. Por conta disso, a topologia relativa proposta por Gilbert Simondon pareceu uma porta de entrada interessante para reivindicar a contiguidade das imagens inteligentes ao mundo. Embora já tivesse lido Simondon, só percebi a rentabilidade de sua topologia para pensar nas inflexões contemporâneas da técnica a partir deste artigo de Fernanda Bruno.

Na apresentação de daqui a pouco só falarei das câmeras inteligentes para introduzir o contexto a partir do qual Simondon me interessa. Me deterei mais em sua filosofia da individuação que, sendo tão complexa, é sempre um desafio pelo esforço de clareza requerido. Abaixo, uma pequena amostra do que propõe Simondon:

Recusando uma topologia que suponha um interior e um exterior absolutos, Simondon propõe, no domínio da individuação do organismo vivo, diversas camadas de interioridade e de exterioridade: “o espaço das cavidades digestivas é uma exterioridade em relação ao sangue que irriga as paredes intestinais; mas o sangue é por sua vez um meio de exterioridade em relação às glândulas de secreção interna que derramam os produtos de sua atividade no sangue”. Dentro e fora, interior e exterior são, portanto, forjados através de uma “mediação transdutiva de interioridades e exterioridades”. Esta topologia inscreve no vivo uma heterocronia que não coincide com a experiência linear do tempo subjacente às abordagens substancialistas e hilemórficas do ser individuado. O espaço interior aparece como a cristalização de uma sucessão temporal passada, na medida em que, o que foi produzido pela individuação no passado integra o conteúdo do espaço interior que, por sua vez, está em contato com o conteúdo do espaço exterior, que pode advir. A exterioridade é, assim, um futuro e o presente é, por fim, “esta metaestabilidade da relação entre interior e exterior, entre passado e futuro", relação que caracteriza os processos de individuação.

segunda-feira, 12 de maio de 2014

Thomas Levin no Rio de Janeiro - 23/05 na ESDI (UERJ)



Thomas Levin, um teórico da imagem - e, atualmente, do som também - extremamente inspirador, que teve sua vinda ao Rio em 2011 cancelada (para o Seminário Linguagens Itinerantes da Fotografia em 2011, quem lembra?) finalmente virá falar para o público carioca.

No seminário intitulado "Reading Glitch", Thomas Levin abordará uma determinada “estética do defeito”, analisando filmes e clips musicais em que o processo de compressão e descompressão das imagens em movimento trazem tanto novas gramáticas visuais como questões referentes aos meios artísticos. Rica em exemplos, a palestra se dirige a todos os que se interessam pela imagem contemporânea e suas relações com tecnologias do presente e do passado. Seminário aberto ao público e grátis.

Thomas falará em inglês mas entenderá perguntas e comentários em português.

Thomas Y. Levin
É professor de teoria e história da mídia, teoria cultural, história das idéias e estética na Princeton University, EUA. Tem ensaios publicados na October, Grey Room, New German Critique, Screen, The Yale Journal of Criticism, Musical Quarterly, entre outras publicações. Traduziu e editou três livros sobre o trabalho do teórico Siegfried Kracauer, incluindo a edição crítica de The Mass Ornament: Weimar Essays (Harvard UP, 1995). Foi parte do grupo curatorial responsável pela primeira exposição da Internacional Situacionista no Centro Pompidou, ICA London e ICA Boston em 1989. Levin também concebeu e foi curador da exposição CTRL [SPACE], Rhetorics of Surveillance from Bentham to Big Brother, inaugurada no ZKM Center for Art and Media Technology, em Karlsruhe, em outubro de 2001 e editou o catálogo do mesmo título (com Ursula Frohne e Peter Weibel), publicado pela MIT Press no ano seguinte. Está atualmente envolvido em pesquisas referentes ao correio sonoro em midias analógicas e estéticas alternativas trazidas pelas novas tecnologias.

Postagens populares

Loading...